29 de dezembro de 2016

6 erros dos profissionais ambiciosos (demais)

diferencas_ambiente_trabalho

Um toque de ambição é saudável e necessário para atingir o sucesso na carreira profissional. “É a busca de algo que você deseja. Ter ambição não é ruim, desde que não passe dos limites”, diz a psicóloga e consultora organizacional Meiry Kamia.

“A ambição tem um aspecto positivo, principalmente no mundo do trabalho, porque, na minha opinião, é sinônimo de dinamismo, ou seja, a pessoa saber o que quer. O problema acontece quando este comportamento é exacerbado”, concorda Telma Guido, coordenadora em transição de carreira da Right Management.

Segundo Telma, muitas vezes profissionais que demonstram ambição atraem os recrutadores e têm mais chances de sucesso nas entrevistas de emprego. Mas, esta mesma característica considerada um diferencial pode ser a razão da demissão, quando “passa do ponto”. “Já fiz atendimentos em que a ambição trouxe prejuízo para o profissional dentro da organização fazendo que ele fosse até dispensado”, diz Telma.

Mas, como perceber então, quando a ambição passa de mocinha a vilã do comportamento no mundo corporativo? Para responder a esta pergunta, as duas especialistas consultadas listaram os erros mais frequentes cometidos pelas pessoas superambiciosas. Confira quais são:

1. Arrogância

É o primeiro sinal de alerta, na opinião de Meiry. “Ambição demais leva à arrogância que resulta na criação de uma falsa autoimagem de perfeição”, explica Meiry.

A consequência de se achar melhor do que os colegas é menosprezar toda e qualquer opinião que não seja a sua. “Pensando ser a melhor – a perfeita – a pessoa não ouve os outros e justifica racionalmente suas atitudes quando é chamada de arrogante”, diz Meiry.

Isso acontece, diz a especialista, porque o superambicioso não é capaz de fazer uma autoanálise do seu comportamento por estar apaixonado demais pela imagem que criou dele mesmo.

2. Atropelar os outros

Para o superambicioso, qualquer um que tenha os mesmo objetivos de carreira é visto como um rival. “Ele não permite que ninguém cresça, quer sempre ser o primeiro a chegar lá”, diz Meiry.

Por isso, é quase impossível, para pessoas que apresentam este tipo de comportamento, valorizar uma opinião que não tenha partido delas próprias. “Há o desrespeito ao ponto de vista das outras pessoas”, explica Telma.

Esta falta de respeito muitas vezes vem acompanhada de agressividade. “Falta articulação em saber lidar com pessoas, o que pode gerar agressividade no tratamento, muitas vezes próxima à intolerância, o que pode gerar conflitos na organização”, diz Telma.

3. Dificuldade em trabalhar em equipe

Se o outro é encarado como ameaça, o trabalho em equipe é posto de lado uma vez que exige uma atitude colaborativa praticamente ausente em uma pessoa superambiciosa. “O problema é sempre o outro que é considerado burro demais, lerdo demais”, diz Meiry.

Se não há ninguém a sua altura, o profissional prefere sempre trabalhar por si só. “Ele nunca vai ajudar um colega de trabalho, não é solidário e não dispõe de tempo para os outros”, explica Meiry.

4. Isolamento

É a consequência natural para um profissional que não trabalha em equipe, que é arrogante e que costuma atropelar a opinião de seus colegas de trabalho.

“O superambicioso se dirige para coisas e não para pessoas, suas metas tornam sua visão estreita e objetiva em relação ao que precisa ser conquistado”, diz Telma.

Problemas surgem quando é a vez dele precisar de apoio. “Quem quer ajudar uma pessoa que faz os outros de degrau para subir mais rápido?”, pergunta Meiry.

5. Aprendizado zero

Sendo ele “melhor” do que todos, é certo que não sobra muito espaço para aprender no ambiente de trabalho. Nas pessoas superambiciosas, falta a humildade necessária para reconhecer o que precisa ser desenvolvido. “Ele não consegue pensar que não sabe de algo, porque não reconhece sua imperfeição”, explica Meiry.

O risco, nesse caso, é manter a mentalidade tão fechada a ponto de prejudicar o seu crescimento profissional. “Uma pessoa assim não abre para o aprendizado e não cresce”, diz Meiry.

6. Faltar com a ética

A puxada de tapete não é um pressuposto e, sim, de uma possibilidade do comportamento de alguém superambicioso. Pessoas de caráter duvidoso e psicopatas são terreno fértil para a ambição sem limites, explica Meiry.

“É o desvio de caráter que justifica a falta ética”, diz Meiry. Ou seja, prejudicar alguém com objetivo de tirar vantagem é uma atitude que pode aparecer, mas vai depender do caráter.

“Por exemplo, não se pode dizer que todo superambicioso é um psicopata, mas os psicopatas geralmente têm uma ambição maior, e vão fazer de tudo para chegar lá.”, explica.

 

TEXTO: Exame

LEIA TAMBÉM: O que você pode dizer sobre si mesmo?


New Call-to-action
Conheça nosso aplicativo
Conheça nosso aplicativo no Google Play Conheça nosso aplicativo na App Store

Assine nossa newsletter

Junte-se às mais de 80 mil pessoas que receberam nossas novidade sobre pós-graduação a distância por email.


2017 O ANO DA SUA VIRADA PROFISSIONAL

Você também pode gostar de:

  • Profissionais, atualizem-se!
  • Produtividade: aprenda 5 gatilhos mentais para turbinar sua motivação
  • 9 dicas de organização para você estudar melhor
  • Quer aprender sobre qualquer coisa? Confira 4 dicas de um Nobel da Física
  • #FalaProfessor: Qual a diferença entre Administração Pública e Gestão Pública?

  • CATEGORIAS

    Administração (14)
    Agronegócio (3)
    Artigos (44)
    Carreira (98)
    Datas Comemorativas (6)
    Dia do Profissional (12)
    Docência Superior (2)
    E-book (1)
    Educação (25)
    Educação a distância (34)
    Educação Superior (8)
    Emprego (34)
    Engenharia e Arquitetura (13)
    Especialização (24)
    Infográfico (4)
    Internet (7)
    MBA (8)
    Meio Ambiente e Sustentabilidade (13)
    Mercado de trabalho (61)
    Mês da Língua Portuguesa (9)
    Petróleo e Gás (5)
    Pós-graduação (16)
    Saúde (14)
    Saúde Mental (4)
    Tecnologia (11)
    Testes (4)

    Siga o Wpós nas redes sociais

    Copyright © 2017 wPós