Opa, pensando em se especializar?
Conheça os nossos mais de 900 cursos de Pós-Graduação EAD.

Conheça os cursos
Fale com um consultor

6 atitudes que podem boicotar seu desenvolvimento profissional

22 de abril de 2019

Compartilhe esta notícia:

O comportamento inadequado no ambiente de trabalho prejudica o seu dia, a sua carreira e, em última instância, o desempenho de toda a sua equipe. Você já parou para fazer uma autoavaliação da sua postura no trabalho?

Essa reflexão é muito importante e deve ser feita com frequência. Afinal, novas situações e desafios costumam aparecer a cada dia, e o seu comportamento é o que vai definir seu sucesso ou fracasso diante de cada uma delas.

Por isso, trazemos hoje 6 dicas para você começar a dar um norte em sua autoavaliação. Confira:

Ser uma pessoa negativa

A primeira coisa a se ter em mente é que todos devemos assumir a responsabilidade sobre nossas vidas. E nosso comportamento diante dos fatos é a primeira escolha a ser feita. Se não está satisfeito com o seu trabalho, ou com alguns aspectos dele, cabe a você definir como vai proceder.

Assumir uma postura de negatividade, exalando insatisfação, não vai ajudar você a chegar a lugar algum. Pelo contrário, você estará se programando para ter sempre a pior reação. Claro que esse tipo de comportamento atrapalha também aqueles que estão à sua volta.

Portanto, em vez de semear negatividade, procure manter-se motivado a fazer o que tem de ser feito. Mesmo que isso seja mudar de emprego.

 

Desânimo

Se você está desanimado com suas perspectivas, ou mesmo, com as demandas confiadas a você no trabalho, alguma coisa está muito errada.

Mais uma vez, é preciso uma autoavaliação para identificar o motivo do desânimo e traçar estratégias para resolver o problema. Quanto mais tempo você demorar para fazer isso, mais tempo terá perdido em sua trajetória profissional.

O grande cerne dessa questão está em sua satisfação pessoal e sua qualidade de vida, pois passamos a maior parte do tempo no trabalho.

No entanto, quando você demonstra uma falta de entusiasmo frequente, sua imagem profissional também é prejudicada. E isso não pode ser negligenciado.

 

Falta de pontualidade

O mercado de trabalho tem com uma de suas principais características a competitividade. O que você atrasa ou deixa de fazer, pode ajudar ao seu concorrente a passar à frente.

Por isso, a pontualidade tanto em horários (de entrada, em reuniões etc.) como na entrega de demandas costuma ser observada com atenção.

Afinal, em ambos os casos, atrasos costumam significar desvantagem para a empresa em que você trabalha, a mesma que precisa ser rentável para pagar o seu salário. E ser negligente com a pontualidade põe em dúvida a credibilidade de qualquer profissional.

 

Dificuldade em trabalhar em equipe

São várias as falhas que um profissional pode cometer na convivência com colegas de trabalho. É aceitável que você não tenha afinidade com determinado colega.

No entanto, é inadmissível que esse sentimento atrapalhe o andamento do trabalho. Além de contraproducente para toda a equipe, hostilidade e demonstrações de destempero prejudicam muito a sua própria saúde mental e, claro, a sua reputação.

É importante também estar atento a atitudes como arrogância e descompostura. Portanto, desqualificar as opiniões dos demais ou demonstrar má vontade quando alguém pede ajuda são sinais de despreparo para o convívio corporativo. E isso, certamente, vai colocar você no fim da fila das oportunidades de crescimento.

Arrogância

A autoconfiança e a satisfação com os resultados do seu trabalho são aspectos muito positivos. Mas deve-se ter cuidado, pois o excesso pode fazer mal. A dica neste caso é manter os pés no chão e nunca pensar que sabe demais.

Do contrário, corre-se o risco da perda do foco e do pensamento analítico. Tenha em mente que o aprendizado deve ser um hábito e as pessoas à sua volta podem ajudar muito nesse processo.

 

Falta de ética

Esse item pode parecer óbvio, mas muitas pessoas têm o que pode ser chamado de “uma elasticidade excessiva” dos conceitos éticos.

A regra básica é não fazer com o outro aquilo que não gostaria que fizessem com você. Dessa forma, fica mais fácil avaliar a melhor postura diante de “dilemas éticos”. Vale lembrar que algumas atitudes corriqueiras no mercado de trabalho são bem reprováveis moralmente.

Um exemplo clássico é o colaborador insatisfeito que adota um comportamento inadequado e nocivo para forçar seu desligamento, de forma a receber verbas e indenizações rescisórias. Se você não está satisfeito, procure outro emprego e continue sendo um profissional digno até achá-lo.

 

VEJA TAMBÉM: Quer mudar de emprego? Saiba quais atitudes são necessárias 

Compartilhe esta notícia:

Precisa de mais informações?

Preencha seus dados que um consultor irá entrar em contato com você

Assine nossa newsletter

Junte-se às mais de 80 mil pessoas que receberam nossas novidade sobre pós-graduação a distância por email.