Opa, pensando em se especializar?
Conheça os nossos mais de 900 cursos de Pós-Graduação EAD.

Conheça os cursos
Fale com um consultor

Os sete pecados capitais aplicados à sua carreira

23 de fevereiro de 2016

Compartilhe esta notícia:

São vários os comportamentos e sentimentos que corroem o ambiente de trabalho e a carreira de um profissional. E os sete pecados capitais se aplicam perfeitamente ao rol de condutas que prejudicam a trajetória de profissionais e empresas.

A auto vigilância permanente é, portanto, uma atitude importante para não se deixar envolver por esses pecados. A AVM Faculdade Integrada listou o modo como cada pecado pode interferir nos seus esforços profissionais. São comportamentos que fazem mal a você, à corporação da qual você faz parte e, sobretudo, para a ascensão da sua carreira.

  1. Avareza

O apego excessivo e descontrolado aos bens materiais e ao dinheiro se aplica facilmente ao mundo corporativo. A cobiça por dinheiro, bens,                   cargos ou influência leva as vítimas desse sentimento à busca sem limites do reconhecimento, mesmo que, para isso, lance mão de meios pouco             éticos e ortodoxos.

  1. Gula
    Pecado comum no meio corporativo. Aproxima-se muito da avareza, pois faz do profissional um viciado em reconhecimento, bonificações, status, etc. Trata-se de uma vontade patológica de se destacar mais, ganhar mais ou conquistar mais espaço. É quando a ambição se transforma em ganância, o que pode ser extremamente perigoso para sua carreira.
  1. Soberba
    Os que sofrem desse mal costumam menosprezar os colegas e suas realizações. Agem com arrogância e presunção e pensam que seus feitos são melhores do que os dos outros. Faz de tudo para demonstrar que domina todos os assuntos e sequer consegue perceber seus próprios defeitos e limitações. É um claro sintoma de profissionais com pouca inteligência.
  1. Ira
    É fato que o ambiente do trabalho costuma gerar situações que podem afetar muito o controle emocional das pessoas. Mas esse controle é fundamental para a boa condução de uma carreira e, às vezes, à manutenção do emprego. Aqueles cinco minutos de ira podem prejudicar muito a imagem do profissional e, até mesmo, acarretar uma demissão. Portanto, diante de situações tensas, respire e tente manter o controle da situação. Procure ter em mente que não há nada melhor do que um dia após o outro.
  1. Preguiça
    Nem é preciso dizer o quão a preguiça é prejudicial para o bom andamento de sua carreira. Muitas podem ser as razões para ela, como falta de motivação, cansaço, insatisfação etc. É importante identificar o que pode estar gerando a falta de vontade e, a partir desse diagnóstico, procurar transpor a dificuldade. Se a preguiça não tem razão aparente, procure vencê-la e lembre-se de que nada melhor do que a satisfação de terminar um dia com suas missões cumpridas. Lembre-se também que um dia produtivo passa bem mais rápido.
  1. Inveja
    A inveja costuma ser mais nociva para quem a sente. Ela desperta uma série de sentimentos negativos que se refletem no rendimento do profissional. Aqueles que a cultivam têm como parâmetro para seus atos as conquistas dos colegas de trabalho. E isso não é nada saudável. O melhor a se fazer é concentrar-se na própria trajetória em vez de perder tempo e energia agourando as realizações dos outros. É melhor para você, é melhor para a empresa, é melhor para todos. E mantenha a auto vigilância, pois esse sentimento é fácil de instalar, sobretudo no ambiente corporativo que tende a ser altamente competitivo.
  1. Luxúria

A luxúria é o desejo passional e egoísta por todo o prazer corporal e material. Apesar de ser associada à busca excessiva de prazer sexual, pode              incorporar outros tipos de desejo, como o da comida, o da bebida e o da superioridade em relação aos demais. E é aí que o pecado se aplica ao                meio corporativo. Quando a motivação do profissional para ascender na carreira está exclusivamente relacionada com o poder sobre os demais,            há algo equivocado nessa busca. A luxúria está também relacionada com a gula, a soberba e a avareza, meios pelos quais o pecador deseja                        adquirir o prazer de dominar. É, portanto, um traço egocêntrico que pode prejudicar o ambiente de trabalho.

Leia também: 3 passos simples para você ser feliz no trabalho

 

Compartilhe esta notícia:

Precisa de mais informações?

Preencha seus dados que um consultor irá entrar em contato com você

Assine nossa newsletter

Junte-se às mais de 80 mil pessoas que receberam nossas novidade sobre pós-graduação a distância por email.